Receba sua encomenda onde quer que você esteja, basta aguardá-la!

ENTREGAMOS
ONDE VOCÊ ESTIVER

Receba sua encomenda onde quer que você esteja, basta aguardá-la!
Utilizamos um sistema de pagamentos seguro e credenciado!

PAGAMENTO
TOTALMENTE SEGURO

Utilizamos um sistema de pagamentos seguro e credenciado!
Conte com um atendente durante sua compra à qualquer hora!

ATENDIMENTO
24 HORAS POR DIA

Conte com um atendente durante sua compra à qualquer hora!

Fábrica em Bandeirantes produz mais de 1 milhão de hóstias por mês

Depois de dedicar 22 anos da sua vida ao trabalho na área de tecnologia da informação, o empresário Valdecir Paduan, 40 anos, viu sua rota profissional mudar radicalmente. Natural de Bandeirantes, católico praticante, casado e pai de dois filhos adolescentes, há seis anos ele decidiu abrir uma pequena loja de artigos religiosos, em um ponto comercial alugado, como forma de agradecer por uma graça recebida na época. 

Sem a intenção de sobreviver do pequeno negócio, já que estava bem empregado em uma usina de açúcar e álcool da região, ele foi tocando as vendas apenas com o desejo de tornar acessível às pessoas produtos que levassem uma mensagem de fé. Ao ser dispensado inesperadamente da empresa em que trabalhava há mais de duas décadas, dois anos após a abertura do pequeno estabelecimento, não imaginava que a "lojinha" iria se transformar em sua principal fonte de renda. "Cheguei a mandar o meu currículo para várias empresas, inclusive de outros estados, e até fui convidado a trabalhar em algumas delas, mas havia um ‘chamado’ para me dedicar à loja de artigos religiosos", conta Paduan. 

Devoto de Santa Terezinha do Menino Jesus – padroeira de Bandeirantes -, Paduan lembra da celebração em homenagem à santa (1º de outubro) em que recebeu do seu sogro uma rosa, que para ele simbolizava o caminho que deveria seguir a partir de então, conforme um propósito que havia feito para si mesmo e aguardava uma confirmação. "Fiquei bastante emocionado e uma série de fatos foram confirmando o caminho que deveria seguir dali em diante", afirma o empresário, que em menos de um ano adquiriu ponto comercial próprio, na esquina da avenida principal da cidade, onde sua loja está instalada até hoje. 

Além de prosperar nas vendas no decorrer dos anos, em julho do ano passado ele foi surpreendido com o convite para abrir uma "fábrica de hóstias" - "o alimento para a alma", como hoje está no seu slogan. "Nunca pensei em ter esse tipo de negócio, mas um fornecedor meu, de Iacri, em São Paulo, decidiu fechar a sua fábrica (que também havia aberto em resposta a uma graça recebida) e me ofereceu todo o maquinário, além da receita exclusiva e o treinamento para produzir as hóstias que, antes de serem consagradas, são chamadas de ‘partículas’", informa. 

Após refletir bastante sobre a proposta e conhecer o negócio de perto, Paduan decidiu aceitar mais esse "chamado" e em agosto abriu sua "fabriqueta" - a "Fábrica de Hóstias Horeb" (nome que apareceu em sonho e faz menção ao monte – também conhecido como Sinai - onde Moisés teria recebido as tábuas com os dez mandamentos). Com sete máquinas instaladas, hoje a produção mensal é de 1,1 milhão de hóstias. O trabalho ainda emprega três funcionárias que se esmeram em uma série de detalhes e retoques artesanais que a produção do "alimento para a alma" exige. 

Considerada de "alto padrão", a hóstia produzida por ele utiliza uma farinha de trigo de qualidade superior, produzida em Sertanópolis. "Isso já fazia parte da receita exclusiva que recebi e não adianta tentar mudar a farinha, pois isso altera o produto final", avisa, citando que uma receita leva, em média, dois quilos de farinha para 1,8 litro de água. 

O pacote médio - com 250 gramas de hóstias (que corresponde a 840 unidades) - chega a custar R$ 13 e atualmente ele está atendendo as dioceses de Jacarezinho, Marília e Umuarama, além do Santuário de Aparecida (São Paulo) e alguns pedidos pontuais vindos do Nordeste. Animado com as novas perspectivas comerciais, o empresário agora estuda a possibilidade de ampliar os negócios em parceria com um grupo de freiras enclausuradas de uma comunidade de Jacarezinho, que irão colaborar na produção de mais hóstias, como uma espécie de "filial" de sua fábrica. "É muita responsabilidade realizar esse tipo de trabalho, mas acredito que Deus tem abençoado tudo isso", confirma Paduan.

Por Ana Paula Nascimento, da Folha de Londrina

Depois de dedicar 22 anos da sua vida ao trabalho na área de tecnologia da informação, o empresário Valdecir Paduan, 40 anos, viu sua rota profissional mudar radicalmente. Natural de Bandeirantes, católico praticante, casado e pai de dois filhos adolescentes, há seis anos ele decidiu abrir uma pequena loja de artigos religiosos, em um ponto comercial alugado, como forma de agradecer por uma graça recebida na época. Sem a intenção de sobreviver do pequeno negócio, já que estava bem empregado em uma usina de açúcar e álcool da região, ele foi tocando as vendas apenas com o desejo de tornar acessível às pessoas produtos que levassem uma mensagem de fé. Ao ser dispensado inesperadamente da empresa em que trabalhava há mais de duas décadas, dois anos após a abertura do pequeno estabelecimento, não imaginava que a “lojinha” iria se transformar em sua principal fonte de renda. “Cheguei a mandar o meu currículo para várias empresas, inclusive de outros estados, e até fui convidado a trabalhar em algumas delas, mas havia um ‘chamado’ para me dedicar à loja de artigos religiosos”, conta Paduan. Devoto de Santa Terezinha do Menino Jesus – padroeira de Bandeirantes -, Paduan lembra da celebração em homenagem à santa (1º de outubro) em que recebeu do seu sogro uma rosa, que para ele simbolizava o caminho que deveria seguir a partir de então, conforme um propósito que havia feito para si mesmo e aguardava uma confirmação. “Fiquei bastante emocionado e uma série de fatos foram confirmando o caminho que deveria seguir dali em diante”, afirma o empresário, que em menos de um ano adquiriu ponto comercial próprio, na esquina da avenida principal da cidade, onde sua loja está instalada até hoje. Além de prosperar nas vendas no decorrer dos anos, em julho do ano passado ele foi surpreendido com o convite para abrir uma “fábrica de hóstias” – “o alimento para a alma”, como hoje está no seu slogan. “Nunca pensei em ter esse tipo de negócio, mas um fornecedor meu, de Iacri, em São Paulo, decidiu fechar a sua fábrica (que também havia aberto em resposta a uma graça recebida) e me ofereceu todo o maquinário, além da receita exclusiva e o treinamento para produzir as hóstias que, antes de serem consagradas, são chamadas de ‘partículas’”, informa. Após refletir bastante sobre a proposta e conhecer o negócio de perto, Paduan decidiu aceitar mais esse “chamado” e em agosto abriu sua “fabriqueta” – a “Fábrica de Hóstias Horeb” (nome que apareceu em sonho e faz menção ao monte – também conhecido como Sinai – onde Moisés teria recebido as tábuas com os dez mandamentos). Com sete máquinas instaladas, hoje a produção mensal é de 1,1 milhão de hóstias. O trabalho ainda emprega três funcionárias que se esmeram em uma série de detalhes e retoques artesanais que a produção do “alimento para a alma” exige. Considerada de “alto padrão”, a hóstia produzida por ele utiliza uma farinha de trigo de qualidade superior, produzida em Sertanópolis. “Isso já fazia parte da receita exclusiva que recebi e não adianta tentar mudar a farinha, pois isso altera o produto final”, avisa, citando que uma receita leva, em média, dois quilos de farinha para 1,8 litro de água. O pacote médio – com 250 gramas de hóstias (que corresponde a 840 unidades) – chega a custar R$ 13 e atualmente ele está atendendo as dioceses de Jacarezinho, Marília e Umuarama, além do Santuário de Aparecida (São Paulo) e alguns pedidos pontuais vindos do Nordeste. Animado com as novas perspectivas comerciais, o empresário agora estuda a possibilidade de ampliar os negócios em parceria com um grupo de freiras enclausuradas de uma comunidade de Jacarezinho, que irão colaborar na produção de mais hóstias, como uma espécie de “filial” de sua fábrica. “É muita responsabilidade realizar esse tipo de trabalho, mas acredito que Deus tem abençoado tudo isso”, confirma Paduan.
Direi ao Senhor: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei.

Salmos 91:2

  • loyola
  • logo-ave-maria
  • distribuidora-loyola
  • cancao-nova
  • editora-vozes
  • editora-paulus